quarta-feira, 22 de março de 2017

Sabes taaaanto!

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, deu origem a uma polémica de dimensões continentais. O ainda Ministro das Finanças holandês disse a um jornal alemão (curiosa coincidência...) que nos países do Sul da Europa «não se pode gastar todo o dinheiro em álcool e mulheres e, de seguida, pedir ajuda».
É uma besta, não haja dúvida. Então este energúmeno não sabe que isto não se diz? É ignorante ao ponto de desconhecer que... a expressão correcta é «não se pode gastar tudo em putas e vinho verde»?!

terça-feira, 21 de março de 2017

IndiGESto

A Procuradoria-Geral da República autorizou o prolongamento das investigações na "Operação Marquês", não existindo agora um prazo para a sua conclusão.
O pedido da equipa do Ministério Público que conduz a investigação é justificado pelo aparecimento de novos indícios de corrupção, que têm surgido com as últimas diligências, fazendo com que as pontas soltas de vários processos acabem por ser atadas.
Realmente, a "Operação Marquês" começou com o Grupo Lena, foi-lhe adicionado o empreendimento de Vale do Lobo, juntou-se-lhe a Caixa Geral de Depósitos, colocou-se-lhe a PT e, por fim, rematou-se com o GES. Umas hortaliças fresquinhas e ficamos com um belo de um cozido à portuguesa, mas em vigarice.

sábado, 18 de março de 2017

O corta-fitas rebelde

Na sua biografia (agora publicada), Jorge Sampaio refere, finalmente, as verdadeiras razões que o levaram a dissolver a Assembleia da República e a convocar novas eleições em 2004: «já estava farto do Santana (Lopes)».
Compreendo, claro. É lixado sair à noite com o bom do Pedrinho. Para além de engatar meia-dúzia de gajas mais depressa que o tempo que o Usain Bolt leva a percorrer os 100 metros planos, o que configura um cenário de concorrência desleal, uma pessoa que caminhe ao seu lado sujeita-se a tomar um banho de brilhantina só com a que é desperdiçada pela sua meia-careca luzidia faustosamente repuxada até ao pescoço.
Gostava tanto de ter o poder que o Sampaio tinha naquela altura. Era tão fixe pôr malta a andar sempre que me fartasse dela. E sabes, Jorginho, eu estava tão fartinho de ti, meu corta-fitas armado em mauzão entre sonos mais longos que os da Bela Adormecida!

quinta-feira, 16 de março de 2017

segunda-feira, 13 de março de 2017

Triângulo furioso

Quem é que vence um conflito entre a Holanda e a Turquia?
A China, que fabrica bandeiras holandesas para serem queimadas pelos turcos.

domingo, 12 de março de 2017

É tudo uma questão de canais

As declarações de Pedro Passos Coelho numa reunião à porta fechada com os deputados do seu partido (na qual, alegadamente, adjectivou António Costa de «vil, soez, reles e ordinário») fizeram aquecer o ambiente nuo último debate quinzenal na Assembleia da República. Tão quente, tão quente que, às tantas, parecia que estávamos em Agosto com 40 graus à sombra, com os inflamados antagonistas a discursarem como se estivessem numa taberna de esquina e depois de terem virado meia grade de "mines".
Ainda assim, tenho que destacar um dos adjectivo que Pedro Passos Coelho escolheu para classificar o primeiro-ministo: soez. Dei voltas à cabeça e... depois fiz um strike com ela! Aahahahah! Fim de história. Foi gira, não foi?
Mentira! Dei voltas à cabeça e cheguei á conclusão que a escolha desta palavra em concreto foi um terrível equívoco por parte do líder da oposição. O que aconteceu foi o seguinte: o homem anda com a cabeça tão cheia com o escândalo das off-shores que baralhou os canais. Ó senhor, não é Suez. É Panamá! Foi para lá que o Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais do seu Governo deixou escapar uns largos milhares de milhões de euros por causa... uh... de um erro informático, vejam só!

sexta-feira, 3 de março de 2017

A arte de bem negociar

Foram esta semana homenageados pelo Governo português 52 bombeiros que estiveram duas semanas no Chile a combater fogos florestais. Estes "soldados da paz" fazem parte da Força Especial de Bombeiros (FEB) e foram mobilizados na sequência de um pedido feito pelas autoridades chilenas à União Europeia.
Realmente, quem quiser fazer bons negócios sabe bem onde ir. Nós mandamos-lhes bombeiros para apagar fogos, eles enviam-nos ladrões para nos pôr a arder.