domingo, 17 de dezembro de 2017

Nossa, que "biolência" raríssima!

Luciana Abreu envolveu-se numa polémica. Como isto constitui um fenómeno tão raro como a imaculada concepção do menino Jesus, oremos. Oremos e acendamos uma velinha à Nossa Senhora das Esgroviadas da Cabeça, a ver se a coisa se resolve a bem. A moça, que nunca se viu envolvida nestes assados, merece que o façamos.
A história conta-se muito rapidamente: a actriz e cantora levou a mal uma piada do humorista Nilton, que comentou de forma sarcástica as declarações de Luciana relativamente ao seu papel familiar. «Fui pai e mãe durante muitos anos», afirmou ela, enquanto Nilton não perdeu a oportunidade de dizer que ela seria o «único pai capaz de pôr os outros pais malucos».
Um elogio, certo? Não para Lucy, que torpedeou o humorista com palavras bastante desagradáveis nas redes sociais e através do WhatsApp. Ah, as desvantagens das novas tecnologias de comunicação. Saudosos são os tempos em que as figuras públicas resolviam os diferendos usando também as mãos, claro, mas da forma correcta. Basta lembrar a maneira como Sá Pinto "foi aos fagotes" de Artur Jorge para termos um bom exemplo do que vos tento dizer.
Mas, vamos lá, não nos desviemos do essencial... naquilo que pode haver de essencial neste tema. Luciana Abreu enviou uma mensagem a Nilton no WhatsApp na qual recomendava que este «se colocasse de pé e numa atitude respeitosa sempre que se referisse à sua pessoa».
Olah! Onde é que eu já ouvi isto? Então não era Paula Brito e Costa, a muy ilustre presidente, directora-geral e sabe o Vieira da Silva mais o quê da Raríssimas, que exigia que os seus colaboradores se levantassem à sua passagem? Queres ver que temos aqui um padrão e ainda vamos ver a senhora a lançar-se numa pujante carreira musical e a cantar «sou rica em gambas e vestidos caros, mas pobre, pobre em moral»? Não tem um Panamera como o da querida Lucy, mas um BMW série 5, assim a modos de início de carreira, não me parece deslustre para ninguém. E porque não usar os seus contactos para dar aquele impulso que pode faltar a qualquer momento? Um dueto com a rainha Letízia ninguém desdenha, especialmente se esta não se importar de fazer de baqueta de bateria também. Tudo isto amadrinhado por Mariazinha, a defun... perdão, a antiga primeira-dama.
Perfect! Até sabe a camarão de Espinho!

8 comentários:

  1. Eu a pensar que os escândalos andavam parados, mas afinal enganei-me :o

    r: Ninguém tem culpa que o teu conhecimento de música é que seja reduzido ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se há coisa que nunca pára, essa coisa é o escândalo =P

      Eliminar
  2. Penso que a Lucy iria adorar toda essa banda maravilha! Envia-lhe a sugestão e fica com os direitos, para ver se também compras um carrito como os delas :P
    P.S. Li o comentário que me deixaste, e que muito agradeço, mas por qualquer motivo ele desapareceu... Seja como for, foi recebido :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hum, não sei se a Lucyleide está para brincadeiras dessas. Enviar-lhe uma mensagem soa-me a uso de WhatsApp e já se percebeu que ela não é meiga quando usa essa ferramenta =P Oh, e achas que tinha alguma hipótese com a senhora raríssima metida ao barulho. Arrebanhava logo tudo para ela, que pensas tu? =P
      Ah, não fui eu que eliminei, posso garantir. Também posso garantir que não consigo reproduzir tudo o que lá escrevi. Por isso, ainda bem que conseguiste ver da primeira vez =P Nada para agradecer ;)

      Eliminar
  3. Só mesmo a senhora da Rarissimas para nos "vender" que ela é que nos fez o favor de vestir uma boa "farda" quando foi conhecer a Letízia. Gente mais inocente não há... até porque temos todos parvos escritos na testa e comemos tudo o que ali a sra doutora do quiosque prega! E pelo andar a carruagem ainda vamos é o povinho que pagar o subsídio de desemprego à mulherzinha, só para a tirarmos da instituição...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho de discordar: não é só ela que está a tentar comer-nos por parvos. Quer o senhor ministro Vieira da Silva enfiar-nos Lisboa pelos olhos dentro quando diz que não tem estado a proteger a Raríssimas e a trafulhice que para lá ia dentro. Pois sim, pois sim.
      Coitadinha. Soubesse ela que ia passar por isto e tinha metido mais ao bolso. Assim já lhe dava para viver sem o subsídio de desemprego e, quiçá, voltar para o quiosque de onde veio. O paquistanês que lá está diz que aquilo não lhe serve para fazer fortuna. Pode ser que, com aquele seu toque de Midas tão característico dela, a senhora consiga fazer novo milagre!

      Eliminar
  4. Ainda bem que posso contar contigo para me actualizares sobre estes verdadeiros dilemas nacionais, porque não estava a par de nada disto! =p

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, sim. Podes sempre vir aqui para te actualizares, só que a actualidade comenta-se em parvo aqui nesta baiuca =P

      Eliminar

Se vêm para contestar, fiquem quietinhos e caladinhos. Isto não é minimamente democrático e quem manda aqui sou eu! Por isso, só são permitidos afagamentos de ego, mas com jeitinho! Demasiada fricção deixa-me o pelo eriçado, tipo gato assanhado. Não é bonito!