quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Ah, assim está tudo explicado!

A Associação de Futebolistas Profissionais de Inglaterra (PFA( solicitou à Federação Inglesa a proibição da disputa da bola com a cabeça em jogos de sub-10. Com base num estudo da Universidade de Sterling, a PFA defende que os cabeceamentos podem provocar falhas de memória nas 24 horas seguintes ao impacto com a bola, num claro indício que o gesto técnico pode ser prejudicial à saúde dos jovens praticantes.
Faz todo sentido. Aliás, conheço um caso flagrante em que existe uma relação de causa-efeito incontestável. Considerando o exímio cabeceador que foi e o estado em que se encontra agora, Mário Jardel começou cedo a dar-lhe forte com a mona.

12 comentários:

  1. E tenho para mim que não deve ser caso único ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E és bem capaz de não andar longe da verdade =P

      Eliminar
  2. Queima os fusíveis ao pessoal, estou a ver!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não. O que queima os fusíveis ao pessoal é a cocaína. Os cabeceamentos na bola esmigalham os miolos. Agora imagina a conjugação das duas variáveis, o que é o caso do rapaz =P

      Eliminar
  3. Começou a dar-lhe forte na coca eheheh.

    ResponderEliminar
  4. Ahahah, é um ponto de vista que tem a sua validade!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como podes constatar, tudo o que aqui é dito são verdades incontestáveis! =P

      Eliminar
  5. E olha que não é o único!!!
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ui, ui! O que não faltam para aí são bichos destes =P BeijinhosUi, ui! O que não faltam para aí são "bichos" destes! =P Beijinhos

      Eliminar

Se vêm para contestar, fiquem quietinhos e caladinhos. Isto não é minimamente democrático e quem manda aqui sou eu! Por isso, só são permitidos afagamentos de ego, mas com jeitinho! Demasiada fricção deixa-me o pelo eriçado, tipo gato assanhado. Não é bonito!